Hina Matsuri 2010 – Pavilhão Japonês

HINA MATSURI 2010
6º Festival das Meninas no Pavilhão Japonês

data: 20 e 21 de março de 2010
horário: 10h00 às 17h00
local: Pavilhão japonês – Parque do Ibirapuera (portão 10)

Mais informações:
Site oficial do Pavilhão japonês no Bunkyo.

St. Valentine’s Day – Dia dos Namorados oriental

No dia 14 de fevereiro é comemorado o dia de São Valentim (St. Valentine’s Day), o dia dos namorados comemorado pela maioria dos países, com exceção do Brasil, que comemora no dia 12 de junho, dia de Santo Antonio, o santo casamenteiro.

Diz a lenda, que São Valentim era um padre que viveu no século III. Na época, com o intuito de não atrapalhar o rendimento dos soldados nas batalhas, o imperador romano Claudio II proibia os militares de casar. No entanto, Valentim desobedecia essa ordem e casava escondido, os jovens apaixonados. Ao ser descoberto, é condenado a morte no dia 14 de fevereiro, mas se tornou um mártir para todos os apaixonados.

Anos depois, a Igreja Católica, o consagra São Valentim como um santo. Se aproveitando da lenda e da proximidade do dia dos festejos do dia de celebração a Deusa romana Juno (familia e casamento) e Pan (natureza) na qual era comemorado a festa da fertilidade, o dia 14 de fevereiro passa a se tornar o dia dos apaixonados.

O Valentine’s Day começa a ser comemorado no Japão por influencia da cultura americana, mas dizem os mais céticos, que as comemorações começaram devido a influencia de uma fabrica de doce. Verdade ou não, a celebração Continue reading

A Lenda do Momotaro San

Momotaro - menino pessego

A Lenda do Menino Pêssego

Fotografia: barto

Estátua de Momotaro - foto de Barto

Há muitos e muitos anos atrás, em uma pequena e distante Villa, havia um casal de velhinhos que por não poderem ter tido filhos viviam muito sós. Em dia comum, fazendo seus afazeres, o homem juntando lenha e a sua esposa lavando as roupas na correnteza no rio…avistaram um enorme pêssego boiando nas margens. Depressa pegaram aquela fruta que parecia deliciosa , e a levou montanha acima até chegarem em suas casas.

No fim do dia, ao ver aquela apetitosa fruta o marido pediu a mulher que o cortasse, muito alegre a esposa o obedeceu, buscou um facão e quando foi cortá-lo, um enorme susto, o pêssego começou a se mover e de repente um menino forte e bonito saiu de dentro do pêssego.

Ainda sem entender e já que não possuíam filhos, agradeceram aos Deuses e adotaram o menino como se fosse seu próprio filho por acreditarem que a aparição era um presente dos céus. Devido a forma de sua aparição, colocaram o nome de Momotaro, menino pêssego. O casal cuidou dele Continue reading

As Personalidades e o Museu – exposição japonesa


Exposição
“As Personalidades e o Museu”

Data:
De 02/12/2009 a 31/01/2010

Horário:
terça a domingo, das 13h30 às 17h30

Local:
Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil
(bilheteria no 7º andar) Edifício do Bunkyo.
Rua São Joaquim, 381 – 9º andar – Liberdade – São Paulo


Continue reading

Teru Teru Bozu – simpatia contra chuva

Neste tempo chuvoso de São Paulo e com a esperança de poder aproveitar melhor os finais de semana…
Lembro de uma simpatia muito difundida dentro da colônia japonesa, principalmente quando realmente precisamos de um bom tempo sem chuvas para poder fazer atividades ao ar livre, como churrascos, pescarias ou “undokais”.

Alguém ligado mais as tradições sempre fazia um teru teru bozo, um simples bonequinho branco, feito de papel ou pano. Para ser sincero, nem sempre fazia parar de chover… Talvez pelo fato, desses “experts de tradição” nunca conseguirem fazer o amuleto com o devido respeito ou da maneira certa! (nota: nunca é recomendável fazer um amuleto errado… Pode causar efeitos colaterais piores do que trocar o sal pelo açúcar em um receita… Se não souber como fazer é melhor não fazer… uahaha)

HISTÓRICO
Como todos os tipos de lendas, sua origem é um tanto incerta. Alguns dizem que tem relação com a lenda chinesa de uma garota que varria as nuvens… Mas acredito mais na lenda japonesa que conta a história de um monge budista que ajudava os agricultores. Ele realizava preces que paravam as fortes chuvas que prejudicavam as plantações. Infelizmente no final da história, o monge falhou em parar a chuva… Como castigo, teve sua cabeça decepada.

Acredito mais nessa lenda, pois está muito Continue reading

‘Ópera do Malandro’ de Chico Buarque ganhou versão japonesa nos palcos

Artigo escrito pelo nosso colaborador Ricardo Oshiro , ator de teatro e ex membro do seinen bunkyo.

Achei muito interessante. Como será que ficou “taca pedra na Geni” em nihongou?

Site oficial:
http://www.duncan.co.jp/web/stage/malandoro/top.html
(site em japonês)

(Matéria publicada no jornal brasileiro “International Press”, de circulação exclusiva no Japão) © Mitsuo

A adaptação traz no elenco a brasileira Marcia (de vermelho), que interpreta a prostituta Margot.

Montar uma peça de teatro com mais de 30 anos de história não é uma tarefa fácil. Ainda mais quando ela retrata um universo tão particular quando a Ópera do Malandro, musical escrito por Chico Buarque que ganhou os palcos cariocas em 1978, foi lançado pela indústria fonográfica um ano depois e, posteriormente, em 1986, estreou nos cinemas sob a direção de Ruy Guerra.

Mas as referências ao clássico brasileiro não param por aí: há uma semana, a peça inspirada na Ópera dos Mendigos, de John Gay, e na Ópera dos Três Vinténs, de Bertolt Brecht e Kurt Weill, também ganhou uma releitura japonesa. Essa é a segunda montagem Continue reading

Tooro Nagashi – festival das lanternas flutuante japonesas

Tooro Nagashi

tooro - lanterna japonesa flutuanteO Tooro Nagashi é um belo festival tradicional japonês, na qual são colocados lanternas flutuantes nas aguas de um rio. A lanterna (tooro) é feitas de papel, iluminada por uma vela em seu interior e inscrita mensagem para os antepassados e entes queridos falecidos.
Uma mistura de tom melancólico com a alegria de um festival. A escuridão do anoitecer em contraste com o brilho colorido das lanternas refletindo nas aguas.

O Tooro Nagashi tem origem na tradição budista chinesa, na qual se acredita que Continue reading